quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Fragmento de Confissão

Quando era menino jogava cubos de gelo ao sol somente para vê-los derreter...
E via a água aflorar lentamente da superfície dura e escorrer para o chão à guisa de sangue perdido em grave hemorragia...
Sem direito à transfusão, eu os via se acabarem agonizantes, daquele pequeno ato de crueldade ignorantes.
Agora, adulto, falta-me o verso, mas não o sentimento...
Pois sei que vida afora, em cada instante,
Ainda quantos cubos jogamos ao relento!

Nenhum comentário: