sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Poetempo

O hoje,
projeto de ontem,
promessa de amanhã,
deliciosamente se insinua
na mais bela das manhãs.

Padece, à tarde, de saudade.

E, à noite, já é desejo de semente que se guarde.

Nenhum comentário: